Logo HORAESA projeto

A HORAESA é o programa radiofónico  do Agrupamento de Escolas de Arouca, transmitido todas as sextas-feiras entre as 19h e 20h na Rádio Regional de Arouca (103.2 FM).

OBJETIVOS

O presente projeto tem como objetivos gerais:

  • Enriquecer culturalmente a comunidade
  • Criar um espaço de abertura da Escola à comunidade
  • Promover o contacto da Escola com o meio envolvente
  • Promover a participação, integração e harmonia entre todos os elementos do AEA
  • Aprender e ensinar
  • Criar espírito de equipa
  • Quebrar a rotina escolar

  • Fomentar a aquisição de técnicas que favoreçam um melhor desempenho escolar (no imediato) e profissional (no futuro)
  • Proporcionar a reflexão em torno do papel que poderão desempenhar os media e especificamente, a rádio, na sociedade em geral e na escola em particular

EMISSÕES 2017/2018

16 15 de junho de 2018 No dia 15 de Junho de 2018, a equipa HorAESA reuniu-se para produzir o último programa, deste ano letivo. No estúdio da Rádio Regional de Arouca, estiveram presentes os professores Márcia Ferreira, Isabel Gonçalves, Marta Brandão e Vitor Correia, aos quais se juntou a sua convidada, Dra. Sandra Martins (Diretora Técnica da Valência do Lar de Idosos, da Santa Casa da Misericórdia de Arouca). Neste programa demos destaque ao Dia Mundial da Consciencialização da Violência contra a Pessoa Idosa, que teve lugar nesse mesmo dia. A música esteve a cargo dos Tribalistas, Mafalda Veiga, Pedro Barroso, La Casa de Papel e Capitão Fausto. A data foi criada em 2006 pelas Nações Unidas e pela Rede Internacional de Prevenção à Violência à Pessoa Idosa, tendo como objetivos refletir numa questão social sensível e acabar com a violência contra a pessoa idosa. Numa sociedade cada vez mais envelhecida (serão 1,2 mil milhões de pessoas com mais de 60 anos em 2025), os idosos são esquecidos e sujeitos a maus-tratos físicos e psicológicos, quer pelas suas famílias, quer pelos serviços de acolhimento ou pela sociedade em geral. Todos os anos se registam vários casos de abuso contra os idosos e muitos mais acontecem em silêncio, sem conhecimento público. Parar os abusos verbais, emotivos, financeiros e corporais e promover a integração e o bem-estar do idoso são os desafios lançados pela celebração desta data. Neste dia a ONU relembra também que a discriminação etária é uma grave violação dos Direitos Humanos, exigindo o empenhamento dos governos, das instituições e da população para mudar a situação. Nos últimos anos, com o avanço da medicina, os idosos passaram a usufruir de uma maior expectativa de vida. Em consequência disso, há o aumento da população idosa, tanto em Portugal como no resto do mundo. Apesar disso, a falta de informação sobre as necessidades particulares dos idosos é um problema que gera preconceito e desrespeito de algumas pessoas com esses cidadãos. Um dos problemas do idoso em Portugal é a falta de cuidados e atenção. Algumas famílias desfazem-se dos mesmos, abandonando-os em lares para idosos. Não tendo a família por perto, esses idosos caem em depressão. Além disso, a desvalorização do papel do idoso na sociedade também causa danos psicológicos. Outro grave problema encontrado é o difícil acesso aos seguros de saúde, já que nessa fase da vida se fica mais suscetível às doenças e visitam-se hospitais com mais frequência. Com o alto risco de doenças graves e mortes, os seguros de saúde não se "arriscam" pois podem ter prejuízos. Apesar do Estatuto do Idoso, que lhe assegura todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, a falta de infra-estruturas para esses cidadãos ainda é grande. Com a perda de algumas habilidades que vem com o tempo, é comum que os idosos se locomovam de autocarro, muitas vezes sem as adaptações necessárias. Motoristas que não respeitam e passam sem parar, e até mesmo passageiros que não se levantam, mostram como o cidadão ainda é desrespeitoso com as pessoas idosas. Ainda há muito a fazer para que o idoso possa realmente ser acolhido por todos os cidadãos no nosso país. Programas do governo para a inclusão do idoso na sociedade, além de campanhas para a consciencialização da população, são algumas das muitas soluções para que essas pessoas se sintam importantes, não importando a idade em que estão.
15 08 de junho de 2018 O programa de hoje, dia 8 de junho, foi em direto com os alunos Ana Teixeira, da Escola Básica  de Rossas; Diogo Ferro, da Escola de Moldes; Lara Martins, da Escola de Ponte de Telhe; Mariana Gonçalves da Escola da Boavista e Carlota Ferreira da Escola do Burgo, nos comandos da emissão, sob a orientação das professoras bibliotecárias Isabel Gonçalves e Marta Brandão. A seleção dos alunos foi feita através de um casting promovido nas Bibliotecas Escolares, para os alunos do 4º ano de escolaridade que se inscreveram. O tema central do programa é o projeto “Autonomia e Flexibilidade Curricular", direcionado aos ensinos básico e secundário, implementado no ano escolar de 2017-2018, nos estabelecimentos de ensino que manifestaram esse interesse e em regime de experiência pedagógica, e pretende dar a conhecer como o mesmo foi desenvolvido no nosso agrupamento, pela voz de professores e alunos envolvidos.
14 01 de junho de 2018 O HorAESA de hoje, dia 01 de junho de 2018, é da responsabilidade das alunas: Andreia Fernandes, Bárbara Pinho, Catarina Teixeira, Filipa Moreira, Filipa Vieira, Inês Ferreira, Carla Laranjeira, Liliana Sousa, Mariana Almeida, Mariana Tavares e Magda Silva do 11.º E - Curso Profissional Técnico Auxiliar de Saúde. Após a emissão da rubrica habitual das Notícias, estas alunas propõem uma reflexão sobre o namoro, através de uma entrevista à psicóloga Teresa Barandela e dois testemunhos: o da aluna Márcia Brandão e o da Sr.ª D. Florinda Pinho, casada há 45 anos.
13 25 de maio de 2018 O Programa HORAESA desta semana, da responsabilidade dos professores Nélia Saúde e Vitor Correia, foi dedicado ao tema da Educação para a Saúde e para a sexualidade. Nele vamos ouvir a opinião das professoras Vera Noites e Vera Silva, duas das responsáveis pelo Projeto de Promoção e Educação para a Saúde do Agrupamento de Escolas de Arouca e também a opinião da Diana Costa e do Rafael Gomes, dois alunos que frequentam a turma F, do 9º ano de escolaridade. Na habitual rubrica das notícias, um especial destaque para as Comemorações da Semana da Europa, pelas vozes dos alunos Liliana Andrade e Soraia Brandão, do 11º D, assim como um excerto da intervenção do eurodeputado Paulo Rangel, que nos honrou com a sua presença. A música esteve a cargo dos Expensive Soul e a edição áudio do programa foi realizada pelo Daniel Abreu, aluno do 11.ºF, do Curso Profissional de Técnico Multimédia.
12 18 de maio de 2018 O HorAESA de hoje, dia 18 de maio de 2018 é da responsabilidade dos alunos: Adriana Fevereiro, Ana Carina Pinho, Ana Margarida Silva, Ana Patrícia Almeida, Andreia Cardoso, Beatriz Vieira, Gonçalo Pinto, Joana Ferreira, Márcia Brandão, Paula Almeida e Rute Almeida do 11.º E - Curso Profissional Técnico Auxiliar de Saúde. Após a emissão da rubrica habitual das Notícias, estes alunos propõem uma reflexão sobre o bullyng, através de duas entrevistas: uma à enfermeira Marta Ferreira e outra à psicóloga Teresa Barandela, e dois testemunhos: o da aluna Rita Pinho e do empregado de mesa Cristiano Resende.
11 11 de maio de 2018

Neste programa pretendeu-se divulgar o trabalho realizado no Orfeão de Arouca assim como os serviços que presta como fator de desenvolvimento individual e comunitário.
Numa breve introdução, opinamos sobre as coletividades de cultura, recreio e desporto o seu contexto e diversificação ao nível do próprio fenómeno associativista.
Também foi referido a origem e a finalidade do Canto Orfeónico assim como a sua utilização ao longo dos tempos.
Sobre o Orfeão de Arouca conversamos com o presidente da Associação onde foram abordados alguns fatores históricos que deram origem à formação da referida associação, a sua contextualização e as características mais importantes. Também conversamos com o Maestro onde abordamos questões de repertório, nomeadamente a recolha dos temas musicais, os compositores mais significativos para esta formação musical, dificuldades e formas de ensaio, a partilha de concertos, entre outras.
Foram abordadas e evidenciadas todas as pessoas envolvidas que trabalham na associação, assim como, a importância no desempenho do seu cargo.
A organização a nível da estrutura diretiva, o funcionamento desta associação e a sua renovação, foram devidamente assinaladas.
Foi referida ainda a importância da Associação como um espaço de desenvolvimento individual e comunitário, qual a forma que os participantes da associação valorizam o seu contributo na mesma e o tipo de relações humanas emergem desta participação.
Por fim, foram abordados os apoios que a Associação usufrui destacando a disponibilidade da mesma na organização de futuros eventos musicais.

10 04 de maio de 2018 A língua é um código desenvolvido com o intuito de transmitir pensamentos e ideias através da comunicação e interação com todos os indivíduos. Apresentar um bom uso da língua e todas as suas normas e regras pode fazer com que as pessoas se destaquem em tudo e com todos com quem ela se relacione no dia a dia. A língua também modifica a forma como nos expressamos e vemos as coisas, como captamos e enviamos mensagens, como interpretamos o mundo e as pessoas. É por meio da linguagem que o mundo perpetua sua cultura através da escrita, aliás, cultura e linguagem estão correlacionadas. Sem a linguagem o mundo seria vazio. Portanto, a comunicação é a base para as relações humanas sociais. Os países lusófonos comemoraram no dia 5 de maio, o Dia da Língua Portuguesa. Esta comemoração, instituída em julho de 2009 no âmbito da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), pretende celebrar a língua e a cultura lusófona. A data é assinalada todos os anos com várias iniciativas nos países que falam a língua de Camões (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Portugal, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor Leste). O Agrupamento de Escolas de Arouca, à semelhança de anos anteriores, não deixou esta data passar em branco e festejou o dia da língua e da cultura portuguesas com várias iniciativas, quer na Escola Básica quer na Escola Secundária de Arouca. Pretendeu-se celebrar a relevância do idioma como parte da identidade dos povos lusófonos e chamar a atenção para questões culturais da lusofonia. Os alunos refletiram sobre o português pelo mundo, contactaram com textos literários de autores lusófonos de diferentes nacionalidades e aprenderam a valorizar o pluralismo dos falantes do português. A língua é um património, faz parte da identidade dos povos que a falam e o português é a quinta língua mais falada no mundo. De entre as várias atividades realizadas, destacam-se: o “Mural da Língua Portuguesa”, as “Leituras à solta”, E o Concurso “Falar bem, bem falar”, que saiu à rua com o intuito de partilhar com os arouquenses conhecimentos sobre a língua portuguesa. No programa HorAESA de hoje destacámos este tema, para o qual o professor Vitor Correia convidou a professora Olga Soares – Coordenadora do Departamento Curricular de Línguas do AEA e os alunos Miguel Santos e Bruna Rodrigues (11.º F), Inês Vilela (6.ºA), Maria Dias (6.º C) e Carla Quaresma (6.ºB). Estas alunas cantaram, em direto, músicas com letras de Fernando Pessoa e Florbela Espanca e leram uma lenda designada “A Ilha de Timor”, retirada de um livro intitulado “Contos e Lendas de Portugal e do Mundo”, de José Pedro Mésseder e Isabel Ramalhete. Um agradecimento especial às professoras Florbela Fernandes e Fátima Carmo pela colaboração prestada na elaboração do alinhamento do programa.
09 27 de abril de 2018 O programa têm início com a rubrica dedicada às notícias do nosso Agrupamento, pelas vozes de alunos da turma C do 8º ano, nomeadamente a Joana Noites e a Raquel Silva. Seguidamente, e no desenvolvimento do tema, ouviremos: a opinião do aluno Miguel Noites (escuteiro no Agrupamento 1302 de Rossas), o Dirigente do Corpo Nacional de Escutas da Equipa Regional de Lobitos da Região de Viseu, Chefe Vasco Paula, o 2º Comandante dos Bombeiros Voluntários de Arouca, o Sr. Filipe Amorim e ouviremos também a opinião do Engenheiro Florestal Henrique Machado, com responsabilidade na Divisão de Gestão Operacional e Valorização do ICNF (Instituto da Conservação da Natureza e da Floresta), que engloba o ciclo do Rio Paiva. Este programa é da responsabilidade da professora Nélia Saúde.
08 20 de abril de 2018 O programa HoraESAde 20 de Abril decorreu em direto, sob os comandos de alunos do 2º ciclo, nomeadamente, Sílvia Pereira, do 5.ºA; Simão Oliveira, do 5ºA; Inês Vilela, do 6.ºA; Carla Quaresma, do 6.ºB e Maria Dias, do 6.ºC, com a orientação das professoras Bibliotecárias Isabel Gonçalves e Marta Brandão. Os alunos acolheram o desafio lançado por estas professoras e realizaram um casting que lhes permitiu esta experiência. Além da participação no programa em direto, estes alunos tiveram oportunidadede conhecer o funcionamento da Rádio Regional de Arouca, pela experiência e simpatia de António Noites (mais conhecido por Tony Noites). Esta edição, dedicada ao tema “A importância da leitura e o contributo das bibliotecas escolares", contou, ainda, com a colaboração das professoras Isabel Pardal, Coordenadora Interconcelhia do Entre Douro e Vouga; Fernanda Oliveira, Vereadora da Educação da Câmara Municipal de Arouca; Margarida Rocha, Técnica Superior na Biblioteca Municipal de Arouca, para o desenvolvimento do tema, e da professora Cristina Folgado, no apoio técnico. Esta atividade enquadra-se no referencial Aprender com a Biblioteca Escolar e pretende contribuir para o desenvolvimento da literacia dos média e, desta forma, criar condições de acesso e oportunidades de aprendizagem, contribuindo para a sua inclusão numa sociedade dominada pelas tecnologiase pelos média. Neste programa pode ainda ouvir vários fados bem conhecidos de todos nós, interpretados pelos alunos Simão, Inês e Maria. Uma importante forma de divulgar este gosto comum que nutrem: cantar o fado. Foi um programa repleto de emoções e uma experiência muito enriquecedora para os alunos, objetivo primordial deste desafio.
07 13 de abril de 2018 No dia 13 de abril foi para o ar mais uma emissão do programa HorAESA. O responsável pelo programa, professor Vitor Correia, convidou o Secretário da Mesa da Assembleia Geral, do Movimento Fotográfico de Arouca, Tiago Martins, para uma descontraída conversa à volta da temática fotográfica. Um agradecimento especial para o radialista António Noites que, para além de ter participado na leitura das notícias também se juntou à conversa, como exemplo do facto de ter sido um dos sócios fundadores deste movimento e, ao mesmo tempo, ser um entusiasta desta nobre arte. A música ficou a cargo de B Fachada e Father John Misty. A palavra Fotografia vem do grego [fós] ("luz"), e [grafis] ("estilo", "pincel") ou grafê, e significa "desenhar com luz e contraste".Por definição, fotografia é, essencialmente, a técnica de criação de imagens por meio de exposição luminosa, fixando-a numa superfície sensível. A primeira fotografia reconhecida remonta ao ano de 1826 e é atribuída ao francês Joseph Nicéphore Niépce. Contudo, a invenção da fotografia não é obra de um só autor, mas um processo de acumulação de avanços por parte de muitas pessoas, trabalhando juntas ou em paralelo, ao longo de muitos anos. Se por um lado os princípios fundamentais da fotografia se estabeleceram há décadas e, desde a introdução do filme fotográfico colorido, quase não sofreram mudanças, por outro, os avanços tecnológicos têm sistematicamente possibilitado melhorias na qualidade das imagens produzidas, agilizando as etapas do processo de produção e a redução de custos, popularizando assim o uso da fotografia. Atualmente, a introdução da tecnologia digital tem modificado drasticamente os paradigmas que norteiam o mundo da fotografia. Os equipamentos, ao mesmo tempo que são oferecidos a preços cada vez menores, disponibilizam ao utilizador médio recursos cada vez mais sofisticados, assim como maior qualidade de imagem e facilidade de uso. A simplificação dos processos de captação, armazenamento, impressão e reprodução de imagens proporcionados intrinsecamente pelo ambiente digital, aliados à facilidade de integração com os recursos da informática, como organização em álbuns, incorporação de imagens em documentos e distribuição via Internet, têm ampliado e democratizado o uso da imagem fotográfica nas mais diversas aplicações. A incorporação da câmara fotográfica nos telemóveis tem definitivamente levado a fotografia ao quotidiano particular do indivíduo.
06 23 de março de 2018

Neste programa pretendeu-se divulgar o trabalho realizado no Rancho Folclórico da Casa do Povo de Santa Cruz de Alvarenga, assim como os serviços que presta como fator de desenvolvimento individual e comunitário.
Numa breve introdução, destacamos o conceito de Etnografia assim como o seu objetivo. Também foram abordados, quer a evolução, quer a forma de recolha de informação, no que diz respeito ao registo de som e imagem e à recolha de trajes tradicionais usados na época.
Foi abordado ainda o trabalho do investigador sobre o material recolhido, a comparação das fontes documentais com as peças museológicas onde se verificou a compreensão da evolução histórica dos usos e costumes.
Sobre o Rancho Folclórico da Casa do Povo de Santa Cruz de Alvarenga,, conversamos com a vice presidente da Associação onde foram referidos alguns fatores históricos que deram origem à formação da referida Associação, a sua contextualização e as características mais importantes. Também conversamos com a maestrina do Rancho Infantil onde abordamos questões de repertório, formas de ensaio e as próximas atuações.
Foram ainda referidas e evidenciadas as pessoas envolvidas, que trabalham na associação e o desempenho do seu papel que se tornou fundamental.
A organização a nível da estrutura diretiva, o funcionamento desta associação e a sua renovação não foram esquecidos.
Foi referida ainda a importância da Associação como um espaço de desenvolvimento individual e comunitário, qual a forma que os participantes da associação valorizam o seu contributo na mesma e o tipo de relações humanas emergem desta participação.
Por fim, foram abordados os apoios que a associação usufrui.

05 16 de março de 2018 O HorAESA de hoje, dia 16 de março de 2018, após a emissão da rubrica habitual das Notícias, comemora o Dia do Pai, que se celebra, em Portugal, no dia 19 de março, na próxima segunda-feira. No estúdio da Rádio Regional de Arouca, os professores: Márcia Ferreira e Vítor Correia e os alunos: Miguel e Bruna, do 11.ºF, do Curso Profissional de Técnico de Multimédia entraram em contacto, através do telefone, com alguns alunos do 11.º E - Curso Profissional Técnico Auxiliar de Saúde, para estabelecerem um diálogo de homenagem a todos os pais.
04 09 de março de 2018

O programa do HORAESA, de dia 09 de Março de 2018, é dedicado ao tema: A importância do ensino das artes nas escolas. O programa têm início com a rubrica dedicada às notícias do nosso Agrupamento, pelas vozes de alunos da turma E do 8º ano, nomeadamente a Beatriz Capela e Rodrigo Brandão. Seguidamente, e no desenvolvimento do tema, ouviremos a opinião de alguns alunos do Curso de Artes Visuais (Geovana e Juliana do 12º ano e Cláudio Pinto do 11º ano) e também dos professores Júlio Caseiro, Marco Costa e Pedro Rocha. Por fim, teremos as participações especiais da Professora Doutora Cristina Amaro da Costa, professora universitária no Instituto Politécnico de Viseu e da Exma. Sra. D. Esmeralda Valente, professora primária aposentada. Este programa é da responsabilidade da professora Nélia Saúde.

03 02 de março de 2018

O HorAESA de hoje, dia 02 de março de 2018, após a emissão da rubrica habitual das Notícias, reflete sobre a igualdade de género. A aluna Beatriz Vieira começa por definir igualdade de género e, com a sua colega Ana Carina Pinho, realiza entrevistas. A primeira à funcionária Clara Brandão, residente em Romariz, a segunda à proprietária de um café/restaurante em Alvarenga, Rita Rosa, e a terceira a um jovem sapador florestal, que reside em Tropêço, Luís Barbosa. As alunas Bárbara Pinho e Catarina Teixeira, residentes na freguesia de Tropêço, recolheram testemunhos, na sua freguesia, de: Ana Raquel Pinho, uma jovem desempregada e Maria José Moreira, gaspeadeira. As alunas Andreia Pinho e Márcia Brandão entrevistaram a professora Ester Duarte. As alunas Filipa Vieira e Inês Ferreira entrevistaram a Diretora do Agrupamento de Escolas de Arouca, a professora Adília Cruz. A realização do programa é da responsabilidade da professora Márcia Ferreira e das alunas do 11.º E - Curso Profissional Técnico Auxiliar de Saúde.

02 23 de fevereiro de 2018

Neste programa pretendeu-se divulgar o trabalho realizado na Associação Casa do Povo de Arouca, assim como os serviços que presta como fator de desenvolvimento individual e comunitário. Nesta Associação, debruçamo-nos sobre as suas valências com evidência no Rancho Folclórico.
Numa breve introdução, destacamos o significado do termo associativismo, a sua forma de organização na sociedade civil, interesses comuns com objetivos de entre ajuda e cooperação sem fins lucrativos.
Também foi abordada, a sua evolução, partindo da família e grupos informais atingindo grupos mais organizados com objetivos mais idealistas, constituindo um vetor essencial de socialização humana, um importante meio para o exercício do pleno direito de cidadania que a todos assiste.
Retiramos como conclusão, que as associações são o resultado da uma congregação de esforços que garantem o seu desenvolvimento e permitem deste modo atingir os seus fins. O lema é "um por todos e todos por um".
Sobre o Rancho Folclórico da Casa do Povo de Arouca conversamos com o presidente onde foram abordados alguns fatores históricos que deram origem à formação da referida Associação, a sua contextualização e as características mais importantes. Também conversamos com o orientador técnico do Rancho onde abordamos questões de repertório, formas de ensaio e as próximas atuações.
Também foram referidas e evidenciadas as pessoas envolvidas, que trabalham na associação e o desempenho do seu papel, que se tornou fundamental.
A organização a nível da estrutura diretiva, o funcionamento desta associação e a sua renovação não foram esquecidos.
Foi referida ainda a importância da Associação como um espaço de desenvolvimento individual e comunitário, qual a forma que os participantes da associação valorizam o seu contributo na mesma e o tipo de relações humanas emergem desta participação.
Por fim, foram abordados os apoios que a associação usufrui.

01 16 de fevereiro de 2018

As emissões do HoraEsa estão de volta! No dia 16-02-2018, os professores Márcia Ferreira, Nélia Saúde, Fernando Alves, Maria Isabel Gonçalves e Vitor Correia, conduziram o programa dedicado ao Dia Mundial da Rádio. Por essa razão, convidaram o locutor da Rádio Regional de Arouca, Tony Noites, que amavelmente aceitou colaborar neste programa, que se realizou em direto. O Dia Mundial da Rádio celebra-se anualmente a 13 de fevereiro. A data foi escolhida pois foi neste dia que a United Nations Radio emitiu pela primeira vez, em 1946, um programa em simultâneo para um grupo de seis países. A data foi declarada em 2011 pela UNESCO e o primeiro Dia Mundial da Rádio foi celebrado em 2012. A rádio continua a ser o meio de comunicação social que atinge as maiores audiências, continuando a adaptar-se às novas tecnologias e a novos equipamentos, com a transmissão online via streaming, por exemplo. É um meio bastante útil para a população, seja como ferramenta de apoio ao debate e comunicação, de promoção cultural ou em casos de emergência social. Para os profissionais de comunicação social, a rádio é uma plataforma para se divulgarem factos e histórias. A rádio acompanhou os principais acontecimentos históricos mundiais e hoje continua a ser um meio de comunicação fundamental. Este meio de comunicação social adaptou-se à era digital e continua a ser um meio fiável para a população, que recebe a informação na hora, sendo esta uma das características mais positivas da rádio. É importante compreender como determinadas características do radiojornalismo são relevantes para a contemporaneidade. O imediatismo e a instantaneidade, a mobilidade, o baixo custo, a portabilidade, o diálogo com o ouvinte, a criação de imagens na mente do receptor, o divertimento e a descontração, o contacto com a cultura popular são peculiaridades próprias e mais acentuadas desse meio de comunicação que necessitam ser compreendidas sob a ótica da sociedade pós-moderna em que vivemos. Outra questão fundamental a ser discutida tem a ver com a qualidade das notícias veiculadas na rádio. Mas não podemos desconsiderar, inclusive, como a rádio pode ser uma ferramenta importantíssima tanto para a manutenção de políticos no poder quanto para a formação de opiniões públicas.